LA BÍBLIA Edição Revista e Atualizada João Ferreira

Jó (Author Jó and/or Moisés)

38:1Depois disso o Senhor respondeu a Jó dum redemoinho, dizendo:

38:2Quem é este que escurece o conselho com palavras sem conhecimento?

38:3Agora cinge os teus lombos, como homem; porque te perguntarei, e tu me responderás.

38:4Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Faze-mo saber, se tens entendimento.

38:5Quem lhe fixou as medidas, se é que o sabes? ou quem a mediu com o cordel?

38:6Sobre que foram firmadas as suas bases, ou quem lhe assentou a pedra de esquina,

38:7quando juntas cantavam as estrelas da manhã, e todos os filhos de Deus bradavam de júbilo?

38:8Ou quem encerrou com portas o mar, quando este rompeu e saiu da madre;

38:9quando eu lhe pus nuvens por vestidura, e escuridão por faixas,

38:10e lhe tracei limites, pondo-lhe portas e ferrolhos,

38:11e lhe disse: Até aqui virás, porém não mais adiante; e aqui se quebrarão as tuas ondas orgulhosas?

38:12Desde que começaram os teus dias, deste tu ordem à madrugada, ou mostraste à alva o seu lugar,

38:13para que agarrasse nas extremidades da terra, e os ímpios fossem sacudidos dela?

38:14A terra se transforma como o barro sob o selo; e todas as coisas se assinalam como as cores dum vestido.

38:15E dos ímpios é retirada a sua luz, e o braço altivo se quebranta.

38:16Acaso tu entraste até os mananciais do mar, ou passeaste pelos recessos do abismo?

38:17Ou foram-te descobertas as portas da morte, ou viste as portas da sombra da morte?

38:18Compreendeste a largura da terra? Faze-mo saber, se sabes tudo isso.

38:19Onde está o caminho para a morada da luz? E, quanto às trevas, onde está o seu lugar,

38:20para que às tragas aos seus limites, e para que saibas as veredas para a sua casa?

38:21De certo tu o sabes, porque já então eras nascido, e porque é grande o número dos teus dias!

38:22Acaso entraste nos tesouros da neve, e viste os tesouros da saraiva,

38:23que eu tenho reservado para o tempo da angústia, para o dia da peleja e da guerra?

38:24Onde está o caminho para o lugar em que se reparte a luz, e se espalha o vento oriental sobre a terra?

38:25Quem abriu canais para o aguaceiro, e um caminho para o relâmpago do trovão;

38:26para fazer cair chuva numa terra, onde não há ninguém, e no deserto, em que não há gente;

38:27para fartar a terra deserta e assolada, e para fazer crescer a tenra relva?

38:28A chuva porventura tem pai? Ou quem gerou as gotas do orvalho?

38:29Do ventre de quem saiu o gelo? E quem gerou a geada do céu?

38:30Como pedra as águas se endurecem, e a superfície do abismo se congela.

38:31Podes atar as cadeias das Plêiades, ou soltar os atilhos do Oriom?

38:32Ou fazer sair as constelações a seu tempo, e guiar a ursa com seus filhos?

38:33Sabes tu as ordenanças dos céus, ou podes estabelecer o seu domínio sobre a terra?

38:34Ou podes levantar a tua voz até as nuvens, para que a abundância das águas te cubra?

38:35Ou ordenarás aos raios de modo que saiam? Eles te dirão: Eis-nos aqui?

38:36Quem pôs sabedoria nas densas nuvens, ou quem deu entendimento ao meteoro?

38:37Quem numerará as nuvens pela sabedoria? Ou os odres do céu, quem os esvaziará,

38:38quando se funde o pó em massa, e se pegam os torrões uns aos outros?

38:39Podes caçar presa para a leoa, ou satisfazer a fome dos filhos dos leões,

38:40quando se agacham nos covis, e estão à espreita nas covas?

38:41Quem prepara ao corvo o seu alimento, quando os seus pintainhos clamam a Deus e andam vagueando, por não terem o que comer?

39:1Sabes tu o tempo do parto das cabras montesas, ou podes observar quando é que parem as corças?

39:2Podes contar os meses que cumprem, ou sabes o tempo do seu parto?

39:3Encurvam-se, dão à luz as suas crias, lançam de si a sua prole.

39:4Seus filhos enrijam, crescem no campo livre; saem, e não tornam para elas:

39:5Quem despediu livre o jumento montês, e quem soltou as prisões ao asno veloz,

39:6ao qual dei o ermo por casa, e a terra salgada por morada?

39:7Ele despreza o tumulto da cidade; não obedece os gritos do condutor.

39:8O circuito das montanhas é o seu pasto, e anda buscando tudo o que está verde.

39:9Quererá o boi selvagem servir-te? ou ficará junto à tua manjedoura?

39:10Podes amarrar o boi selvagem ao arado com uma corda, ou esterroará ele após ti os vales?

39:11Ou confiarás nele, por ser grande a sua força, ou deixarás a seu cargo o teu trabalho?

39:12Fiarás dele que te torne o que semeaste e o recolha à tua eira?

39:13Movem-se alegremente as asas da avestruz; mas é benigno o adorno da sua plumagem?

39:14Pois ela deixa os seus ovos na terra, e os aquenta no pó,

39:15e se esquece de que algum pé os pode pisar, ou de que a fera os pode calcar.

39:16Endurece-se para com seus filhos, como se não fossem seus; embora se perca o seu trabalho, ela está sem temor;

39:17porque Deus a privou de sabedoria, e não lhe repartiu entendimento.

39:18Quando ela se levanta para correr, zomba do cavalo, e do cavaleiro.

39:19Acaso deste força ao cavalo, ou revestiste de força o seu pescoço?

39:20Fizeste-o pular como o gafanhoto? Terrível é o fogoso respirar das suas ventas.

39:21Escarva no vale, e folga na sua força, e sai ao encontro dos armados.

39:22Ri-se do temor, e não se espanta; e não torna atrás por causa da espada.

39:23Sobre ele rangem a aljava, a lança cintilante e o dardo.

39:24Tremendo e enfurecido devora a terra, e não se contém ao som da trombeta.

39:25Toda vez que soa a trombeta, diz: Eia! E de longe cheira a guerra, e o trovão dos capitães e os gritos.

39:26É pelo teu entendimento que se eleva o gavião, e estende as suas asas para o sul?

39:27Ou se remonta a águia ao teu mandado, e põe no alto o seu ninho?

39:28Mora nas penhas e ali tem a sua pousada, no cume das penhas, no lugar seguro.

39:29Dali descobre a presa; seus olhos a avistam de longe.

39:30Seus filhos chupam o sangue; e onde há mortos, ela aí está.

40:1Disse mais o Senhor a Jó:

40:2Contenderá contra o Todo-Poderoso o censurador? Quem assim argúi a Deus, responda a estas coisas.

40:3Então Jó respondeu ao Senhor, e disse:

40:4Eis que sou vil; que te responderia eu? Antes ponho a minha mão sobre a boca.

40:5Uma vez tenho falado, e não replicarei; ou ainda duas vezes, porém não prosseguirei.

40:6Então, do meio do redemoinho, o Senhor respondeu a Jó:

40:7Cinge agora os teus lombos como homem; eu te perguntarei a ti, e tu me responderás.

40:8Farás tu vão também o meu juízo, ou me condenarás para te justificares a ti?

40:9Ou tens braço como Deus; ou podes trovejar com uma voz como a dele?

40:10Orna-te, pois, de excelência e dignidade, e veste-te de glória e de esplendor.

40:11Derrama as inundações da tua ira, e atenta para todo soberbo, e abate-o.

40:12Olha para todo soberbo, e humilha-o, e calca aos pés os ímpios onde estão.

40:13Esconde-os juntamente no pó; ata-lhes os rostos no lugar escondido.

40:14Então também eu de ti confessarei que a tua mão direita te poderá salvar.

40:15Contempla agora o hipopótamo, que eu criei como a ti, que come a erva como o boi.

40:16Eis que a sua força está nos seus lombos, e o seu poder nos músculos do seu ventre.

40:17Ele enrija a sua cauda como o cedro; os nervos das suas coxas são entretecidos.

40:18Os seus ossos são como tubos de bronze, as suas costelas como barras de ferro.

40:19Ele é obra prima dos caminhos de Deus; aquele que o fez o proveu da sua espada.

40:20Em verdade os montes lhe produzem pasto, onde todos os animais do campo folgam.

40:21Deita-se debaixo dos lotos, no esconderijo dos canaviais e no pântano.

40:22Os lotos cobrem-no com sua sombra; os salgueiros do ribeiro o cercam.

40:23Eis que se um rio trasborda, ele não treme; sente-se seguro ainda que o Jordão se levante até a sua boca.

40:24Poderá alguém apanhá-lo quando ele estiver de vigia, ou com laços lhe furar o nariz?

41:1Poderás tirar com anzol o leviatã, ou apertar-lhe a língua com uma corda?

41:2Poderás meter-lhe uma corda de junco no nariz, ou com um gancho furar a sua queixada?

41:3Porventura te fará muitas súplicas, ou brandamente te falará?

41:4Fará ele aliança contigo, ou o tomarás tu por servo para sempre?

41:5Brincarás com ele, como se fora um pássaro, ou o prenderás para tuas meninas?

41:6Farão os sócios de pesca tráfico dele, ou o dividirão entre os negociantes?

41:7Poderás encher-lhe a pele de arpões, ou a cabeça de fisgas?

41:8Põe a tua mão sobre ele; lembra-te da peleja; nunca mais o farás!

41:9Eis que é vã a esperança de apanhá-lo; pois não será um homem derrubado só ao vê-lo?

41:10Ninguém há tão ousado, que se atreva a despertá-lo; quem, pois, é aquele que pode erguer-se diante de mim?

41:11Quem primeiro me deu a mim, para que eu haja de retribuir-lhe? Pois tudo quanto existe debaixo de todo céu é meu.

41:12Não me calarei a respeito dos seus membros, nem da sua grande força, nem da graça da sua estrutura.

41:13Quem lhe pode tirar o vestido exterior? Quem lhe penetrará a couraça dupla?

41:14Quem jamais abriu as portas do seu rosto? Pois em roda dos seus dentes está o terror.

41:15As suas fortes escamas são o seu orgulho, cada uma fechada como por um selo apertado.

41:16Uma à outra se chega tão perto, que nem o ar passa por entre elas.

41:17Umas às outras se ligam; tanto aderem entre si, que não se podem separar.

41:18Os seus espirros fazem resplandecer a luz, e os seus olhos são como as pestanas da alva.

41:19Da sua boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela.

41:20Dos seus narizes procede fumaça, como de uma panela que ferve, e de juncos que ardem.

41:21O seu hálito faz incender os carvões, e da sua boca sai uma chama.

41:22No seu pescoço reside a força; e diante dele anda saltando o terror.

41:23Os tecidos da sua carne estão pegados entre si; ela é firme sobre ele, não se pode mover.

41:24O seu coração é firme como uma pedra; sim, firme como a pedra inferior dumá mó.

41:25Quando ele se levanta, os valentes são atemorizados, e por causa da consternação ficam fora de si.

41:26Se alguém o atacar com a espada, essa não poderá penetrar; nem tampouco a lança, nem o dardo, nem o arpão.

41:27Ele considera o ferro como palha, e o bronze como pau podre.

41:28A seta não o poderá fazer fugir; para ele as pedras das fundas se tornam em restolho.

41:29Os bastões são reputados como juncos, e ele se ri do brandir da lança.

41:30Debaixo do seu ventre há pontas agudas; ele se estende como um trilho sobre o lodo.

41:31As profundezas faz ferver, como uma panela; torna o mar como uma vasilha de ungüento.

41:32Após si deixa uma vereda luminosa; parece o abismo tornado em brancura de cãs.

41:33Na terra não há coisa que se lhe possa comparar; pois foi feito para estar sem pavor.

41:34Ele vê tudo o que é alto; é rei sobre todos os filhos da soberba.

42:1Então respondeu Jó ao Senhor:

42:2Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido.

42:3Quem é este que sem conhecimento obscurece o conselho? por isso falei do que não entendia; coisas que para mim eram demasiado maravilhosas, e que eu não conhecia.

42:4Ouve, pois, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu me responderas.

42:5Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te vêem os meus olhos.

42:6Pelo que me abomino, e me arrependo no pó e na cinza.

42:7Sucedeu pois que, acabando o Senhor de dizer a Jó aquelas palavras, o Senhor disse a Elifaz, o temanita: A minha ira se acendeu contra ti e contra os teus dois amigos, porque não tendes falado de mim o que era reto, como o meu servo Jó.

42:8Tomai, pois, sete novilhos e sete carneiros, e ide ao meu servo Jó, e oferecei um holocausto por vós; e o meu servo Jó orará por vós; porque deveras a ele aceitarei, para que eu não vos trate conforme a vossa estultícia; porque vós não tendes falado de mim o que era reto, como o meu servo Jó.

42:9Então foram Elifaz o temanita, e Bildade o suíta, e Zofar o naamatita, e fizeram como o Senhor lhes ordenara; e o Senhor aceitou a Jó.

42:10O Senhor, pois, virou o cativeiro de Jó, quando este orava pelos seus amigos; e o Senhor deu a Jó o dobro do que antes possuía.

42:11Então vieram ter com ele todos os seus irmãos, e todas as suas irmãs, e todos quantos dantes o conheceram, e comeram com ele pão em sua casa; condoeram-se dele, e o consolaram de todo o mal que o Senhor lhe havia enviado; e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro e um pendente de ouro.

42:12E assim abençoou o Senhor o último estado de Jó, mais do que o primeiro; pois Jó chegou a ter catorze mil ovelhas, seis mil camelos, mil juntas de bois e mil jumentas.

42:13Também teve sete filhos e três filhas.

42:14E chamou o nome da primeira Jemima, e o nome da segunda Quezia, e o nome da terceira Quéren-Hapuque.

42:15E em toda a terra não se acharam mulheres tão formosas como as filhas de Jó; e seu pai lhes deu herança entre seus irmãos.

42:16Depois disto viveu Jó cento e quarenta anos, e viu seus filhos, e os filhos de seus filhos: até a quarta geração.

42:17Então morreu Jó, velho e cheio de dias.



Original from unbound.biola.edu - They claim public domain status for their original text.